Blog

Carnaval, Álcool e Pressão Alta

Carnaval, Álcool e Pressão Alta

A época é de festas, mas o Carnaval pode se tornar um problema sério para doentes crônicos. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, nos dias de folia há aumento de pacientes que chegam aos hospitais com crises de pressão alta, dor no peito e AVCs.

O problema ocorre porque muitos deixam de tomar remédios para doenças como hipertensão, acreditando que assim podem ingerir bebidas alcoólicas tranquilamente.

“Temos observado, por exemplo, que muitos dos pacientes que são atendidos no Sambódromo relatam que interromperam o uso de medicamentos, como anti-hipertensivos, sem recomendação médica.

Muitos chegam com dores de cabeça causadas por aumento da pressão e dor no peito ”, conta Lúcia Silveira, superintendente de urgência e emergência da Secretaria municipal de Saúde e Defesa Civil.

Fósforo no Querosene

“No caso dos hipertensos, é ruim beber, mas suspender o remédio é pior ainda”, ressalta Lúcia. Segundo o cardiologista Marcos Benchimol, os pacientes que deixam de tomar um remédio contra a pressão alta e bebem correm risco dobrado.

“Quando a pessoa deixa de tomar o remédio um dia, ela passa esse dia sem o controle e pode ter aumento súbito de pressão. E se além disso ela ainda bebe, o risco é maior porque o álcool é hipertensivo.

Ou seja, ela risca o fósforo no querosene”, alerta. “O melhor é não beber, mas se beber é melhor não deixar de tomar o remédio da pressão”. DIABÉTICOS, no entanto, devem procurar o médico para saber como proceder, alerta Lúcia.

“Não se pode proibir um DIABÉTICO de beber uma cerveja para o resto da vida, mas é preciso analisar o caso específico para saber a melhor forma de proceder”, recomenda.

Pessoas que estão usando antiinflamatórios, tranqüilizantes e antibióticos devem ficar atentas. “O mais prudente é que a pessoa que está sendo medicada não ingira bebida alcoólica porque não se sabe qual tipo de potencialização vai ocorrer.

Pode ser que um determinado antibiótico cause reações adversas devido à interação com o álcool ou que um antiinflamatório deixe o paciente muito sonolento”, alerta Benchimol.

Fique livre de intoxicações alimentares

O cuidado com os remédios não deve ser a única preocupação dos foliões. É preciso estar atento às bebidas e alimentos para evitar doenças como hepatite A, intoxicações e até leptospirose.

Especialistas alertam que o consumidor deve exigir canudo ou copos descartáveis em vez de consumir refrigerantes e cervejas em latas. Se a pessoa preferir beber direto na embalagem, é importante que se observe as condições de acondicionamento do produto e verificar com o vendedor se a lata ou garrafa foi lavada com água e sabão.

Segundo médicos, o folião deve ingerir bastante água e sucos para evitar a desidratação. Alimentos com maionese devem ser evitados devido ao risco de intoxicação, principalmente nos dias mais quentes.

Fonte: Alcoolismo – Dando a volta por cima.